As 5 piores contratações do Atlético-MG na última década

O Atlético-MG foi um dos times no futebol brasileiro que mais conquistaram na última década, com a Libertadores de 2013 sendo o título mais importante do período. No entanto, o time fez algumas contratações bem questionáveis, com o retorno esportivo e financeiro próximos a 0. Veja as cinco piores:

1 – Lucas Hernández

O lateral-esquerdo Lucas Hernández foi contratado pelo Atlético em 2019, por cerca de 3 milhões de dólares (R$ 12 milhões à época) mas nunca se firmou no clube. Foi emprestado para Cuiabá e Sport, até seu contrato com o clube acabar no final do ano passado. Foram apenas sete jogos com a camisa preta e branca.

2 – Ramón Martínez

Assim como Lucas Hernández, o volante Ramón Martínez foi contratado em 2019, por cerca de 2,2 milhões dólares (pouco mais de R$ 8 milhões à época) aos cofres alvinegros. O paraguaio fez apenas 14 jogos pelo Galo, sendo emprestado para Coritiba, Libertad e Novorizontino, até seu vínculo expirar no final de 2022.

3 – Yimmy Chará

No meio de 2018, o Alvinegro anunciava a contratação do atacante Chará, por cerca de US$ 6 milhões (cerca de R$ 22,2 milhões na época) sendo uma das maiores contratações da história do clube. Apesar de muita expectativa, o colombiano não rendeu o esperado, sendo negociado com o Portland Timbers no início de 2020.

4 – Franco Di Santo

Apesar de não ter custado nada ao Atlético, Di Santo acabou sendo um dos piores atacantes que passou na última década pelo clube. Foram apenas sete gols em 33 partidas.

5 – Sherman Cárdenas

Apesar de ter vindo por empréstimo, o jogador causou muitas expectativas pelo seu tempo no Atlético Nacional da Colômbia. No entanto, ficou apenas uma temporada, sem ter feito um gol sequer.

Comentários estão fechados.