Atlético-MG deu mole e recusou proposta de 1 bilhão

O Atlético-MG segue na indefinição da SAF, já que Peter Grieve, provável investidor, não conseguiu arrecadar o valor necessário para concluir a operação. Inclusive, o empresário pediu mais tempo para a diretoria alvinegra, que acabou aceitando, visto que não existe outra proposta nesses moldes, que consistem nos 4Rs tendo autonomia na gestão – informação passada por Lucas Tanaka, em seu Twitter.

Além disso, Lucas noticiou que recentemente o grupo City fez uma proposta oficial de cerca de R$ 1 bilhão por 51% da SAF do Galo. No entanto, a diretoria rejeitou imediatamente, já que a condição era de que o grupo tivesse total controle, retirando a autonomia dos 4Rs e do conselho do clube.

Quando sai a SAF?

O Atlético tinha a intenção de apresentar a proposta finalizada para a SAF ao Conselho Deliberativo entre fevereiro e março, com informações sobre o “valuation”, divisão de cotas e responsabilidades do investidor. No entanto, o prazo não foi cumprido e agora o clube pretende encerrar o processo até o final de maio.

É fato que a Arena MRV e a Cidade do Galo serão exploradas pela futura SAF, visto que ambos são ativos diretamente relacionados ao departamento de futebol. Entretanto, ainda não foi definido se a propriedade desses dois bens fará parte do processo. Caso isso ocorra, o valor da negociação tende a aumentar significativamente.

Tem discussão antecipando se a arena e o CT entram. Não foi definido. Muitos investidores gostam da ideia, outros não. Isso tudo só vai ser definido numa proposta completamente formatada, do ponto de vista financeiro, de governança. Só após ter todas as informações que iremos levar ao Conselho. É ele quem decide se aprova ou não. Nosso papel é apresentar aquilo que temos em mão“, disse Bruno Muzzi, CEO do clube e da Arena MRV.

Comentários estão fechados.

n