Carlos Simon desmascara arbitragem após escândalo com Hulk

A expulsão de Hulk na última segunda-feira (17), durante o jogo entre Atlético-MG e Palmeiras, gerou grande tumulto. Nas redes sociais, torcedores de ambos os times expressaram opiniões divergentes sobre a decisão de Rodrigo José Pereira de Lima de mostrar o cartão vermelho para o atacante aos 31 minutos do primeiro tempo, quando o Verdão já vencia por 1 a 0.

Carlos Eugênio Simon, ex-árbitro que participou de três edições da Copa do Mundo (2002, 2006 e 2010), criticou duramente seu colega de profissão pela expulsão do craque. Ainda no primeiro tempo, o artilheiro recebeu dois cartões amarelos consecutivos por reclamação, resultando em sua expulsão.

Na súmula, Rodrigo José Pereira de Lima justificou o cartão vermelho mencionando as palavras desrespeitosas proferidas pelo jogador. A situação de Hulk pode se agravar, pois, ao ser expulso, ele apontou o dedo no rosto do árbitro.

“Aos 30 minutos do primeiro tempo, o Hulk foi expulso. O árbitro apitou uma falta corretamente para o Atlético. Aí o árbitro mostra dois cartões amarelos, um seguido do outro, para o Hulk. Não é assim que se faz. Não vulgariza o cartão amarelo. Dá o primeiro cartão e sai fora. Se tiver ofensa, mostra o cartão vermelho (direto). O árbitro não é o protagonista do jogo. Ele tem que ter esse entendimento. Tem que conversar, falar, levar o jogo”, disse Carlos Simon.

Hulk inocentado?

O dublador Gustavo Machado, famoso por registrar diálogos em jogos de futebol, publicou a dublagem do momento em que Hulk foi expulso na partida contra o Palmeiras. O profissional fez uma leitura labial desde o primeiro cartão amarelo recebido pelo jogador até a sua saída de campo.

Comentários estão fechados.

n