Casagrande solta o verbo sobre Eduardo Coudet

As atitudes de Eduardo Coudet após a derrota do Atlético na estreia da Fase de Grupos da Libertadores para o Libertad por 1 a 0 renderam à imprensa. Muitos portais fizeram questão de cobrir e até espalhar boatos de uma saída, que não se concretizou. O treinador conversou com a diretoria, além dos jogadores, e garantiu a permanência em entrevista coletiva.

A tentativa de “limpar a casa”, porém, não apaga os comentários feitos contra investidores e elenco do Galo. Talvez demore algumas semanas, alinhado a bons resultados, para a massa atleticana deixar a situação de lado. Do nada, é como se Coudet instaurasse uma crise totalmente desnecessária dentro do Atlético Mineiro. Ainda mais com a final do Estadual por jogar dias depois.

Comentários negativos

É claro que não ficaria barato. Chacho terá de aguentar as críticas tanto da torcida, como dos próprios jornalistas. Walter Casagrande, ex-comentarista da Globo, foi um dos diversos comentaristas a se manifestar de forma contundente e detonar as falas de Coudet.

“Ele reclamar da diretoria dizendo que não trouxe reforços, indiretamente está chamando os jogadores de fracos. Time foi mal, ninguém jogou bem. (Ele) Tentou tirar a responsabilidade totalmente dele. Jogou para a diretoria.”

Bandeira Branca

A Sexta-feira Santa trouxe momentos de “paz”. Eduardo Coudet se desculpou publicamente e demonstrou maior entendimento sobre o projeto do Atlético Mineiro para a temporada de 2023. Apesar de não estar satisfeito, o argentino fez o “dever de casa” com a intenção de amenizar o clima nos vestiários.

O elenco “não tão extenso” se tornou o suficiente ao comandante, que espera maior apoio da massa atleticana em busca de um ano glorioso à frente do Maior de Minas. Sem novos reforços, pelo menos até junho, Chacho pretende apostar nas categorias de base da Cidade do Galo.

Comentários estão fechados.

n