Ídolo do Atlético Mineiro deu lição de moral ao vivo e emocionou a todos

Telê Santana foi um dos maiores treinadores da história do futebol brasileiro e do Atlético Mineiro. Apesar de já ter nos deixado, o comandante deixou um legado enorme, com pensamentos que ainda repercutem nos dias atuais.

Telê Santana que é o técnico com mais partidas (434) na história do Galo, seguido de Procópio Cardozo (328) e Levir Culpi (320). Na suas três passagens com a camisa preta e branca, ele levantou dois estaduais (1970 e 1988) e o Campeonato Brasileiro de 1971.

O Campeonato Brasileiro com o Atlético Mineiro

Após a conquista do Campeonato Brasileiro com o Atlético Mineiro, Telê Santana decidiu cumprir uma promessa peculiar: caminhar a pé de Belo Horizonte até Congonhas, cidade mineira distante 67 km. Acompanhado por Roberto Bastos, Neri Campos, Otacílio (roupeiro) e o preparador físico Léo Coutinho, o técnico partiu de sua casa na rua Rio Grande do Norte.

Enquanto os torcedores do Galo retornavam do Rio de Janeiro para Belo Horizonte, o técnico seguia na direção oposta. “Escoltado” por uma rádio-patrulha da PM, ele, já cansado, parou antes do destino final, entrou numa igrejinha à beira da estrada e, ali, expressou sua gratidão.

“Custamos a seguir a pé para cumprir a promessa. Tentamos nos preparar, com calçados e roupas leves. Mas o sol quente nos castigou. Chegando perto do viaduto das almas, não deu. O Roberto e o Neri estavam exaustos, eu aguentava mais um pouco, mas o Telê também desistiu. Até hoje eu acho que o Atlético deixou de ganhar vários Brasileiros por causa daquilo, sabe? Sei lá, sou religioso, fiquei cismado”, disse Léo Coutinho, ao GloboEsporte.com.

Conforme registrado no livro “1971: o ano do Galo”, embora o trajeto planejado fosse de 67 km, o quarteto liderado por Telê teria percorrido menos da metade a pé, optando por pegar carona na viatura em algum ponto da jornada. Ele decidiu interromper sua caminhada na Igrejinha de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde fez suas preces, possivelmente dedicadas a Sant’Ana, a avó de Jesus.

Comentários estão fechados.

n