Números mostram que Atlético se ferra muito sem Hulk e Paulinho

Depois da derrota expressiva contra o Palmeiras na última segunda-feira (17), o Atlético retorna aos gramados nesta quinta-feira (20), enfrentando o Vitória em mais um jogo pelo Campeonato Brasileiro. Além de lidar com o impacto da goleada sofrida, o time não terá Hulk e Paulinho, que estarão suspensos – sem eles, as chances do time de marcar gols são consideravelmente reduzidas.

Os atacantes formam uma das melhores duplas do Brasil, se não a melhor, já que no ano passado, juntos marcaram impressionantes 61 gols e lideraram o ataque do Galo. Contra o Palmeiras, ambos foram expulsos: um por discutir com o árbitro e outro por agredir Marcos Rocha após receber uma cotovelada no rosto.

Neste ano já acumulam 19 gols, sendo 10 de Paulinho e nove de Hulk, o que representa aproximadamente 38% dos gols do Atlético no ano. Além disso, contribuem com muitas assistências, somando um total de 10 entre os dois.

Juntos, os gols e assistências da dupla somam 28 contribuições para os gols do Galo em 2024. Isso representa 56% dos 50 gols marcados pelo time até agora, excluindo os casos em que ambos participaram diretamente da mesma jogada.

Hulk ainda é criticado por expulsão

O comentarista Mauro Cezar Pereira analisou a expulsão de Hulk na derrota do Atlético por 4 a 0 para o Palmeiras, nesta última segunda-feira (16), na Arena MRV. Para ele, o histórico de reclamações do camisa 7 teve um papel importante na decisão do árbitro.

“Tem o contexto da história do Hulk. Talvez, Hulk seja o jogador que mais reclame no futebol brasileiro. Ele já foi expulso por esse mesmo árbitro, aí ele repete. Dentro de casa, com a torcida em cima, uma torcida que criou aquela situação após o terceiro gol do Palmeiras, você está tentando fazer o que com isso? Tentando jogar a torcida para cima do juiz, é isso? Fazer com que ele fique acuado? Fazer com que ele tenha medo de apitar com a sua equipe?”, disse Mauro Cezar Pereira.

Comentários estão fechados.

n