Por que o Atlético-MG colocou multa de R$30 milhões no contrato de Coudet?

Completando dez anos de sua primeira e única conquista da Copa Libertadores em 2023, a motivação do elenco do Atlético-MG para quebrar o jejum é evidente, no entanto, não parece ter iniciado com o pé direito. A equipe comandada pelo técnico Eduardo Coudet foi derrotada logo na estreia, em 1 a 0 para o Libertad, no Mineirão. Além do revés, a diretoria ainda lida com uma polêmica fala do argentino.

O treinador se manifestou de maneira pública à ausência de reforços, e garantiu que gostaria de realizar um acordo para que a multa rescisória fosse deixada de lado. Para a diretoria do Atlético que evita ao máximo esse tipo de exposição, foi uma fala importante e não demorou para realizar a proposta sobre o valor. Contudo, Chacho Coudet recuou sobre abandonar a multa.

O número estabelecido no contrato entre as partes (cerca de R$ 30 milhões) reduz de maneira mensal, e a mudança é de acordo com o tempo de contrato. Anunciado ainda em 2022, em busca de corrigir os erros da temporada, o argentino chega com um vínculo válido até dezembro de 2024. O motivo mais provável para ter incluído uma multa, seria para blindar o técnico de assédio de times do exterior.

Torcida do Galo se manifesta contra decisão de Coudet

Os torcedores não gostaram da atitude do treinador em continuar com a multa em mãos em momento completamente delicado ao time, especialmente diante de derrotas que podem interferir no futuro do time para o ano. Próximo à Sede do Galo, um torcedor colocou uma faixa protestando sobre a atitude de Coudet, exigindo que ele abra mão da multa: “se não tem competência, tenha caráter”.

O desfecho ainda parece incerto no time, mas em um primeiro momento, a decisão é permanecer ao lado do argentino, exatamente para aliviar um valor que pode ser importante para contratações no ano. Contudo, a torcida não deve poupar manifestações, aguardando que o clube alavanque em resultados positivos.

Comentários estão fechados.

n